How can you expect to be taken seriously?

Quero as penas do galo com que eu sonhei ontem à noite. Quero sushi de graça. Quero o Zico no flamengo de novo. Quero que a Coca-Cola feche sua universidade afro. Quero tomar um gole de leite com sucrilhos e mastigar com a garganta. Subir no fundo do poço, puxar os cabelos da minha careca e descobrir que a vida é mais que um pedaço de azeite nas mãos do porteiro.

Dito isso, passemos ao que interessa. Afinal, se eu não falar de coisas sérias, quem vai falar? A torcida do José Dirceu?

É sério. Ontem eu vi um gay casado. Juro que vi. E um ex-anão.

Conheço uma ex-lésbica. Ela não pode aparecer em público, senão vai derrubar a tese de que ser homossexual é normal e irreversível.

E vi um moralista. Ele estava tentando pular os muros de Alhures. Um chato! Disse que passou a vida inteira pensando em recuperar alcoólatras, gays e vasos chineses. Agora só queria descansar um pouco ao som de Billie Holiday, mas seus princípios não permitiam, já que ela era uma desajustada.

Também vi um passarinho cantando “Still Loving You”, do Scorpions, e uma pulga dizendo à outra “how can you expect to be taken seriously?”

Com as pontas do cadarço do meu tênis de velcro, pretendo um dia fazer um laço de gelatina de limão (pra que mais serve gelatina de limão?) e dar de presente a todos esses meus heróis do cotidiano, que vivem suas vidas sem serem notados.

Agora que eu já falei sério…

Quero não crer que Murilo Mendes terminou seus dias escrevendo poemas concretistas. Quero ligar para a Telefónica e resolver alguma coisa. Quero amarrar minhas calças com as flores vermelhas que estão caindo no chão aqui do meu lado. Quero conversar coisas profundas com gente ignorante e coisas superficiais com gente profunda. Quero abrir a janela da minha casa e ver o mar, subir em um cacto cheio de espinhos e ver a aurora de um velho dia.

Depois que eu fizer tudo isso, vou voltar pra casa e descansar um pouco ouvindo Billie Holiday, lendo moralistas e conversando com ex-lésbicas. E depois vou passear com um gay, ouvir Pet Shop Boys e praguejar contra o casamento gay.

Isso tem cura?

Advertisements