Post à la Marques Rebelo

Se o Marco Civil não acabou com o traffic shaping da minha operadora, estaremos nós também livres da censura? Seremos todos, ao fim e ao cabo, salvos pela inoperância congênita do Bananão?

E na TV o repórter avisa que “a direita” pode vencer as eleições na União Européia e que, com isso, assistiremos à volta do “preconceito”, e do racismo, e da xenofobia.

Se, por outro lado, a “esquerda” vencer – penso eu – veremos continuar o terrorismo, a violência e a criminalidade. Antes uns mortos aqui ali e em toda parte, que alguns pobres seres humanos discriminados, não é mesmo?

Advertisements

O espelho partido

Terminei hoje de ler o terceiro volume da trilogia “O espelho partido”, de Marques Rebelo. Que lástima, que grande lástima! que ele não viveu para escrever os outros – quatro! – volumes.

Exemplo da falsidade brasileira

Marques Rebelo puxando a orelha da ditadura fascista de Vargas:

“Roosevelt denuncia: ‘Tenho acompanhado de perto e com inquietude a situação da Argentina nesses últimos meses. Esta situação apresenta um extraordinário paradoxo: o do crescimento da influência nazi-fascista e da crescente aplicação de métodos nazi-fascistas, ao mesmo tempo que essas forças de agressão e opressão se aproximam da hora da derrota final na Europa e nas outras partes do mundo. . .’

Gasparini sibila: ‘Não há nada como se mandar uma tropazinha expedicionária para se passar pelo que não é. . .'”

(A guerra está em nós, 2a edição, p. 510)

Marques Rebelo, amigo de Carpeaux

As polêmicas intelectuais do passado são muito úteis para elucidar as características de uma cultura. Quando vêm, então, acompanhadas de reflexões de um amigo sincero da parte que está com a razão no duelo, aí mesmo é que vale relembrar a ocasião, para extrairmos dela não apenas a tristeza de quem enxerga as podridões da cultura nacional, mas a esperança de quem acredita que a beleza não se esquiva de habitar a lama.

Exemplo muito vivo disso foi o episódio em que, na década de 1940, um grupo de intelectuais tupiniquins atacou Otto Maria Carpeaux por ter este criticado Romain Rolland, ídolo das esquerdas à época. A polêmica pretende ter-se originado na suposta injustiça da referida crítica, mas na verdade a indisposição contra Carpeaux já pairava no ar, como se pode deduzir da afirmação de Marques Rebelo em um trecho de seu belo livro A guerra está em nós: “Falamos, páginas atrás, de certa nuvem negra e aziaga que se levantava ameaçadora sobre a desprevenida cabeça de Jacobo de Giorgio (…).” (Jacobo de Giorgio é o pseudônimo de Carpeaux no livro de Marque Rebelo).

Mas vejamos o trecho inteiro:

 

Image

Image

 

O comentário de Marques Rebelo é muito esclarecedor e, além disso, revela uma consciência bastante aguda de que o Brasil não era exatamente uma sociedade civilizada à sua época (tampouco o é ainda hoje, mas isto fica para ser examinado em uma outra, como se diz, oportunidade). Carpeaux sabia guerrear, mas apenas segundo os padrões da guerra justa, não conforme os desregrados e primitivos mecanismos da “furiosa primitividade tropical”: as intrigas de inveja, corrupção e faccionismo que permeiam a sociedade brasileira, onde os mais cultos quase sempre despertam reação negativa em todos os demais.

Não festejemos demais o defensor Marques Rebelo, contudo. Em outros momentos de sua trilogia “O espelho partido”, suas fraquezas também se revelam. Ele também sabia ser despeitado com relação aos colegas escritores. Embora muitas vezes estivesse com a razão, e ainda que seu despeito nos tenha brindado com belíssimas amostras de arte literária, em outras foi deveras infeliz, sendo que o principal exemplo, a meu ver, está no juízo que fazia de Gilberto Freyre – que para ele não passava de um diletante a confundir sociologia com saudosismo: “O Sociólogo, meus amigos, não é um sociólogo, é um saudosista e daí seu lusitanismo ser, talvez, menos esperteza do que acentuada herança sebastianista adoçada com a nostalgia dos bangüês” (A mudança, 2a edição, p. 309).

Quem não tem teto de vidro que atire a primeira pedra. Confesso que costumo atirar as minhas. Marques Rebelo também atirava as suas. Era sincero, porém. Sem disfarces. Seus sentimentos transparecem naquilo que escreveu. Tomara que eu também o seja, e sempre, pois só a sinceridade nos salva do ridículo.

ô Porcaria!

Henriqueta trouxe hoje, da caminhada com a Méli, um tal “Suplemento Cultural de Santa Catarina”, de nome “ô Catarina”, assim mesmo com ó minúsculo, que está na moda. E minúscula é também a quantidade de cultura que ali se encontra – nula, eu diria.

A crítica cultural atual é incriticável.

Até para que se possa criticar uma coisa, esta precisa ter alguma qualidade. Não pode ser uma nulidade total, um *nonsense* idiota e insosso, tese acadêmica de semiótica desconstrucionista em forma de poema, quadro, fotografia, essas coisas que outrora nos davam luz.

A arte contemporânea pretende evocar sensações físicas. Muito me admira que até hoje não se tenha registrado, em alguma galeria, vômitos. Pensando bem, não me admiro não. Tamanha insipidez não seria capaz de provocar reação tão forte em quem quer que fosse.