Teologia da Libertação

Estou lendo um devocional da Editora Vozes. Mas acho que vou desistir em breve. Não vai dar para aguentar o ano inteiro. Estou marcando com as iniciais “TL” (Teologia da Libertação) toda vez que encontro expressões comunistas. No dia de hoje fiz cinco marcações (num textinho de 1 lauda): “ideologias de consumo exagerado”, “cooperar na organização do bem comum e investir na prática da justiça social para todos”, “estruturas humanas de pecado social, político, religioso e, hoje, ambiental”, “mística social da fé cristã”.

Está tudo dominado. Danou-se…

Cada

A vida tem cheiro de peleja. Vejo pedaços da vida alheia para tirar férias da minha. Depois volto. Sempre há que voltar. Na verdade não se volta, pois já se está – nunca se sai de dentro de si senão em abstrato. Mas não é neste abstrato que está a vida do homem? Em todo caso, pelejo. Cada dia, todo dia, dezenas de ações, pensamentos, centenas, milhares. Canso-me, vou dormir então. Uma tarde, uma manhã: enésimo dia.

Hotéis evangélicos?

20110723-110626.jpg

Fico sempre um pouco feliz e um pouco assustado com a presença infalível de um exemplar do Novo Testamento em um quarto de hotel. Posso afirmar com certeza que não me lembro da última vez em que fiquei hospedado num hotel onde não houvesse um desses em meus aposentos temporários.

Fico feliz porque a palavra de Deus ainda está presente neste mundo ateu, ainda que escondida dentro de uma gaveta. Por outro lado, assusta-me um pouco a ideia de que essa palavra só venha propagada por evangélicos, sob a forma da palavra de Jesus, Jesus, sempre Jesus.

Além disso, acho muito esquisito que isso ocorra em redes internacionais, como Accor e Meliá. Os administradores brasileiros desses hotéis claramente fazem uma “travessura” ao colocarem esses exemplares do Novo Testamento nos quartos, já que o fenômeno evangélico é fortemente brasileiro e é improvável que a matriz dessas redes adote como política a distribuição desses exemplares.

Curiosidade: em pousadas às vezes não encontramos o tal livro. Numa pousada bicho-grilo onde eu fiquei no interior do Rio Grande do Sul não havia nem vestígio da dita publicação. O que havia sim era um monte de mandalas e um cartaz, na entrada do lugar, anunciando uma palestra de um índio brasileiro sobre a “construção do consenso”, eufemismo para “respeito as diferenças, desde que todo mundo seja igual”.

A certeza e os camaradinhas

Revolucionário é aquele camaradinha que não tem dúvidas, que não está em busca de nada. Já achou. E logicamente quer nos brindar com sua maravilhosa descoberta. Quer pô-la em prática para a desgraça de todos.

Claro que isso é teoria. Na prática vocês sabem como é esse povo: podem ser definidos como qualquer coisa, menos como pessoas bem resolvidas.

Lindeza canina do papai

Minha lindeza canina tem um problema meio grave de alergia e por isso tem que tomar remédio todos os dias (duas vezes) para o resto da vida. Para piorar, também tem gastrite e vomita se o estômago ficar vazio. Resultado: manguinha após o remédio! É assim que as coisas desagradáveis se tornam prazeres na vida.
Ah, e vocês acreditam que toda vez que compartilho minha filhinha peluda na Internet um monte de gente me pergunta por que eu não tenho um filho com minha esposa? É o cúmulo do antropomorfismo, não?